Páginas

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Dança e superação ´

Gente, achei um vídeo lindo nas minhas andanças no google, no blog Dança do Ventre Brasil. Conta a história de uma bailarina de dança do ventre que para vencer um câncer, teve de amputar o braço esquerdo. Mesmo com a deficiência, ela dança super bem e já é professora. E não tem vergonha de mostrar o problema, não usa prótese e assume tudo isso com muita alegria.
Vendo o vídeo, percebi como a dança pode mudar a vida de uma pessoa. A arte com o corpo pode salvar vidas, tirar alguém do sofrimento. A dança tem um incrível poder de trazer felicidade.



Um exemplo de superação. De que se amamos a dança podemos vencer qualquer desafio. Depois desse e de vários outros exemplos que vi, vou acabar com o medo e arriscar mais nos treinos:)

Beijos*

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Medo de tentar (:

Está tendo aula agora, neste momento. Mas não fui. Não fui, porque não quis. Resolvi ficar aqui e refletir sobre o ballet na minha vida. Uma hora estou feliz e sonhando com ele e logo depois quero desistir.
Me bateu insegurança hoje, uma coisa me dizendo que deveria rever meus pensamentos de que devo investir na minha vontade de ser bailarina. Escrevi no último post que vou trazer o ballet para mais perto de mim a cada aula, mas não dá. Porque eu me esforço tanto, treino tanto e pesquiso tanto, se no final isso não vale de nada?
Não queria ver a sala, as meninas e muito menos o professor. Peguei minhas fotos, textos e apostilas de dança pra ler. Peguei minhas sapatilhas pra treinar. Eu sei que eu quero a dança pra mim, mas tá difícil.

Estou cansada de fazer as mesmas coisas na aula e queria aprender mais. Fazer mais, como as outras meninas: mesmo fazendo as mesmas sequências e coreografias, elas sabem mais. Porque elas treinam, assim como eu também treino. E por que eu não consigo ?

A resposta é: o medo
Sei que posso fazer aquela pirueta tripla dos meus sonhos.Mas tenho medo. Das tentativas, das quedas que irei tomar, dos micos que eu vou pagar quando verem a minha queda. Tenho medo de tentar.
É isso que acontece comigo na aula. O medo me deixa nervosa e me faz errar. Não sou solta na aula como eu sou na dança do ventre. Aliás, na dança do ventre me sinto super à vontade na aula, dou risada dos meus erros e não tenho medo de aprender coisas novas.

Preciso acabar com isso. Amanhã tem aula de ponta. Não vou faltar, nem que o medo me impeça.
Vou treinar durante todas as aulas pra dançar no final do ano. E eu vou dançar, sem medo. 

terça-feira, 17 de maio de 2011

* Nascida pra dançar ?



Ás vezes as pessoas descobrem um talento que nem desconfiava que tinha e muito menos sonhou com ele.
Foi isso que aconteceu comigo. Eu nunca soube desde pequena que queria ser bailarina, apenas tive uma fantasia quando era pequena e ouvia minha mãe falar em me colocar no ballet por conta da minha flexibilidade. Mas eu sabia das condições financeiras e acabei esquecendo disso.
Sempre achei o ballet bonito, mas nunca pensei em poder dançá-lo. Dança do ventre então, nem se fala. Só achava incrível como as dançarinas mexiam a barriga como se houvesse um bicho dentro, rsrsrsrsrs.
Mas depois da minha primeira aula, descobri que eu adoro dança do ventre, que o ballet é lindo e dançar é o que eu amo fazer agora. E eu sei que não nasci pra isso, mas posso aprender aos poucos porque a dança está ao alcance de todos, certo?. Era o que eu pensava, até então.
Sempre fico olhando essas criançinhas que fazem ballet e já tem um talento nato, são meio que "nascidas pra dançar". Dia desses, minha vizinha de oito anos chegou aqui em casa querendo me mostrar o que aprendeu em sua primeira aula de ballet. Tipo, ela nasceu pra ser bailarina! Só fez uma aula e já sabe dar piruetas, arabesques perfeitos e ela anda pela casa na ponta dos dedos. Ela já tem corpo de bailarina e os pés superfortes.
Pensei: será que é preciso ser "nascida pra dançar" pra ser uma boa bailarina? Será que é preciso saber que quer a dança pra sua vida desde pequena? Bailarinas tardias, como a maioria das blogueiras que me seguem também não podem ser tecnicamente perfeitas?
E ainda tem a minha priminha de dois anos que assistiu uma aula pública minha de ballet e agora só quer saber de dançar pela casa. Essas duas meninas um dia vão me colocar no chão, rsrsrs.
Mesmo assim não deixo de me esforçar. Hoje na aula fui muito bem na barra, mas no centro e na diagonal errei um pouco. Mas é assim, é errando que se aprende e sei que mesmo nãosendo tão boa quanto essas bailarinas natas o ballet está ao meu alcance. E eu vou trazer pra mais perto de mim a cada aula, porque eu amo a dança.
Aqui vai um vídeo de uma "nascida pra dançar" que tem apenas 5 anos, mas já é incrível! Ela é russa (só podia ser, rsrsrs) e se chama Kaylee:


Até mais gente, bjs*

quarta-feira, 11 de maio de 2011

As primeiras vezes*~

Esses dias passei por algumas "primeiras vezes" que todo mundo tem na vida. E uma delas foi no sábado, a minha primeira apresentação na sapatilha de ponta.
Nem eu sabia. Na verdade, o professor me chamou pra fazer uma homenagem a minha mãe na apresentação dançando um solo com um saxofonista tocando. Nem sabia que era de clássico, e ele me avisou que seria na ponta dois dias antes. Marcamos um ensaio, mas não deu e eu já estava ficando triste por não ter ensaiado nada e perder a chance de dançar meu primeiro solo de clássico. Fiquei muito nervosa, treinei o máximo que eu podia e acabei machucando o dedo. Fiquei mais nervosa ainda e fui me apresentar, triste por não poder dançar por causa do dedo e por não ter ensaiado coreografia nenhuma.
De repente, vejo meu nome no cronograma de apresentação com um solo. Pensei: " meu Deus, não acredito que ele vai querer que eu dance sem ter ensaiado " Eu nem tinha levado a sapatilha!
Vi o saxofonista. Vi o meu nome escrito. Vi o professor dizendo que eu iria dançar. Tudo estava a favor para a minha estréia naquele dia e eu não iria deixar passar por causa de uma dor no pé. A coreografia, eu improvisava. Liguei correndo pra minha vó pedindo urgente a minha sapatilha. Ela chegou atrasada, eu me desesperei e quase vi a chance indo embora. Mas no final tudo deu certo.
Ensaiei a entrada minutos antes e dancei. Dancei o que vinha na minha cabeça. De todas as coreografias e os repertórios que assisti. De todos os passos que aprendi. Ouvi a música e dancei. Fiz minha mãe e minha vó chorarem e recebi os aplausos do público com a sensação de que eu fiz tudo certo. Eu senti que eu fui perfeita.
Não tenho fotos nem vídeos, minha filmagem foi perdida! Essa foi do domingo, dancei na ponta pra homenagear as mães da família e só filmaram o final. Mas uma vez, fiz gente chorar: minhas tias não aguentaram, rsrsrsrs. Mas senti que fui melhor antes do que nessa, ainda me sinto muito despreparada pra dançar na ponta e ainda me sinto. Mas fiquei feliz porque as pessoas se emocionaram. Pelo menos isso.

video

 E hoje, tive a minha primeira vez como professora! Agora, dou aulas de dança do ventre nas quartas-feiras pras iniciantes do grupo. Elas amaram, e pra ficar mais legal vou misturar algumas formas de ensinar do professor de ballet com as que a aprendi na dança do ventre. Vou coreografar os alongamentos e as sequências e vou fazer meu jeito único de dar aulas.

Bom gente valeu pelos comentários e obrigado aos meus seguidores, sem vcs e blog não é nada !

Bjs*

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Mesmo com a dor ...



A emoção é indescritível. Hoje tive minha segunda aula de ponta. Foi bem mais do que eu esperava, estou com mais força nos pés do que na primeira aula e meus echappés estão bem melhores! Finalmente eu consegui acabar uma aula com a sensação de missão cumprida.
Essa aula foi diferente. Eu e minha amiga chegamos e não tinha ninguém ainda. Fomos nos aquecer e ... nada. O professor chegou, deu o horário e nada do pessoal. Resultado: fizemos a aula só nós duas.
Foi ótimo, o professor corrigiu os defeitos de cada uma, treinamos uma sequência de lago dos cisnes e dançamos uma das coreografias. Os exercícios de barra foram bem mais doloridos, mas meu pé não sofreu tanto como antes, a ponteira de silicone me ajudou, rsrsrsrsrs.
Tivemos uma hora de aula, mas a vontade era de ficar a tarde toda dançando, ficamos tão felizes com o nosso progresso! Ficamos lá mais um tempinho treinando e voltei pra casa feliz, sabendo que fiz o meu melhor e que vou melhorar a cada dia.Estou tentando melhorar principalmente a minha mania de perfeição. Ballet é algo que vemos o resultado com muito tempo e esforço e a perfeição vem aos poucos. Queria ser a  primeira bailarina e a melhor de todas. Mas o importante é amar a dança e mesmo não tendo toda a técnica do mundo, amando o que eu faço eu posso ir muito mais longe.
Essa semana eu tive a certeza disso. Eu muito o ballet.
Pra terminar o post, a variação que eu amo e sonho em dançar: Svetlana Zakharova em La Bayadére

Beijos*